Professora Maria Perpétua Teles Monteiro
mperpetuatm@yahoo.com.br

terça-feira, 15 de junho de 2010

COPA DO MUNDO 2010: CONSTRUINDO NOVOS OLHARES SOBRE A ÁFRICA

Durante o período da COPA DO MUNDO 2010(12/06 a 12/07) estaremos realizando, no horário do "O BOM DIA" uma série de exposições e debates em torno do evento e do local onde o mesmo acontece: a África. A atividade foi proposta com o objetivo de envolver professores e estudantes no estudo de questões relacionadas ao Continente africano destacando aspectos sócio-econômicos, históricos, políticos, geográficos e estéticos de forma a desenvolver uma postura critica e um novo olhar sobre a realidade atual do mundo e do povo africano e dos afro-decendentes no Brasil considerando a relevância da LEI Nº 11.645, DE 10 MARÇO DE 2008 que disciplina o ensino obrigatório, no nível fundamental e médio,da história e cultura afro-brasileira e indígena e em seu 1º artigo aponta que: O conteúdo programático deste ensino deve considerar diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil.Neste momento, em específico, trataremos a questão Afro.
Na concretização dessa ação entende-se essa atividade, apenas como um momento pontual, porém importante nessa construção.Inicialmente propomos a discussão a partir do artigo de Mirian Leitão publicado em http://www.midiaindependente.org/es/red/2005/05/317716.shtml sobre o fato de em maio de 2005 Ronaldinho, o fenômeno, ter afirmado que era branco. Em cima dessa questão utilizamos também um trabalho produzido pelo professor de Sociologia Luís Fernandes de Oliveira da Escola Técnica Estadual República sobre racismo.
Daí a exposição refletindo, não apenas, a fala do Ronaldo, mas as atitudes de muitos brasileiros que de uma forma ou de outra negam sua origem, também afro, por quererem negar a história que lhe foi apresentada do que é, ruim, feio, selvagem,e etc,etc, etc.
Construir novos olhares significa, aqui, mostrar a história escondida, aquela que não serve para justificar a exploração do homem pelo homem, mas mostra, a vida, a cultura, os valores humanos historicamente construídos pelos povos africanos e que, queiram ou não, deles se espalhou pelo mundo. Significa falar de homens livres e não somente de escravidão, significa falar de lutas e resistências e não de resignação, Significa falar de beleza, de sentidos... De todos os sentidos. Significa, quem sabe, falar, também, da África que as imagens da copa não mostram e estão lá no fundo das gravações, nas luzes das cidades que as imagens recebidas da COPA não nos tem deixado ver.Mas, antes de qualquer coisa é falar de gente, gente preta e preta, gente branca,gente quase preta e quase branca, gentes alvas, das gentes negras também, gentes...

Segue alguns slides que deram suporte a nossa exposição.












ARQUITETURA AFRICANA
































AFRO-DESCENDENTES

COMUNIDADES QUILOMBOLAS

Castainho é uma comunidade quilombola localizada a aproximadamente 6 quilômetros da cidadã de Garanhuns.Sua história está relacionada com a do quilombo de Palmares. Símbolo de resistência e organização dos escravos fugidos na época do império, Palmares foi o grande reduto quilombola da região situada ao sul do estado de Pernambuco e norte do estado de Alagoas. Os moradores de Castainho identificam a origem da comunidade com a destruição do quilombo de Palmares. Castainho foi fundado por um grupo de negros que conseguiu fugir da guerra que destruiu Palmares. Mesmo sendo mais antiga que a cidade de Garanhuns e de muitas outras cidades da região Castainho é uma comunidade que luta muito pelo resgate de sua cultura e pela garantia dos direitos dos seus moradores que em sua maioria ainda vivem sem muitas condições de vida digna. Pontuamos a realidade de Castainho como uma das realidades do Afro-descendente no Brasil.

VEJA OS DADOS SOBRE OS POVOS QUE VIERAM PARA O BRASIL E PORTANTO SOBRE A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO NO PERÍODO ENTRE 1890 E 1950:
africanos: 4 milhões
portugues: 1,5 milhão
italianos: 1,4 milhão
espanhóis: 650 mil
japoneses:200 mil
austríacos: 80 mil
outros: 450 mil
(Fonte: Grifo Projetos Históricos e Editoriais, apud Capricho)

ACESSE NOSSO TRABALHO NA COMUNIDADE EM:
http://cidadaniapretonobranco.blogspot.com
/search/label/Visita%2Fpesquisa%20%20%C3%A0%20
comunidade%20de%20castainho
http://cidadaniapretonobranco.blogspot.com/2007/11/
visitapesquisa-comunidade-de-castainho.html

2 comentários:

formaxima.com disse...

Maria seu blog é fantástico, not°10 desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
Um grande abraço e tudo de bom
Ass:Rodrigo Rocha

Perpétua disse...

Olá, Rodrigo!

Grata pelo incentivo. Que bom!!!!
Volta tá!

Abraços!!!!!